Saúde Ambiental. Salud Ambiental. Environmental Health. Santé Environnementale.
Para que se saiba mais sobre Saúde Ambiental, Saúde Pública, Segurança Alimentar, Segurança e Higiene do Trabalho, Educação Ambiental. Para que se saiba mais sobre nós, Técnicos de Saúde Ambiental.
Todas as opiniões aqui expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
AGORA ESTAMOS AQUI

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Moisés Almeida, um homem da Saúde Ambiental, eternamente nosso...

Hoje foi um dia triste para a Saúde Ambiental.
Perdeu-se um colega e perdeu-se, acima de tudo, um amigo.
Moisés Almeida, falecido ontem, foi hoje a sepultar no cemitério velho de Coruche.
Eu, já de férias, soube-o por telemóvel, quando ao fim da manhã de ontem a notícia começou a circular.
Agora, quebrando todas as regras que a mim próprio impus, no que diz respeito à utilização da internet no período de férias, vejo que a notícia me chegou também doutras formas. Obrigado àqueles que fizeram uso do correio electrónico e a tantos outros que por não saberem de uma forma alternativa para me contactarem, acabaram por usar o meu círculo de amigos do HI5.
O Moisés foi para mim, além de colega de trabalho, um amigo.
Foi com ele que conversei vezes sem conta sobre o futuro dos Técnicos de Saúde Ambiental e da Saúde Ambiental em Portugal. Chegámos, em conjunto, a delinear algumas estratégias de intervenção. Foi dele que vieram as palavras de conforto quando, por qualquer razão, ou sem razão alguma, me foi apontado o dedo por tudo, ou por nada.
O Moisés foi para mim, antes de colega de trabalho, um amigo. Ainda assim, um amigo a quem fiquei a dever “um copo de tinto, no monte, à beira do Sorraia.
Nos últimos meses que precederam a sua morte, as nossas conversas eram estranhas. Confesso que chegaram a ser, pelos menos para mim, incomodativas. Por mais que tentasse não me conseguia alienar da experiência pela qual o Moisés estava a atravessar. No fim acabava por me aperceber de que havia sido ele, sempre ele, a dar-me forças para que eu não soluçasse por entre cada palavra proferida.
Cheguei-lhe a dizer: ”Porra Moisés!... Não era suposto ser eu a dar-te alento?”. Ele ria-se.
Manteve até ao fim a força que sempre lhe conheci e o humor que o caracterizava. Quando falámos pela primeira vez, após o diagnóstico, disse-me assim: “Não queres lá ver que este magano me apanhou no dia que fez vinte anos que deixei de fumar!!??”. Fiquei desarmado.
Hoje, ao chegar a Coruche, sem saber onde me dirigir, fui perguntando pela casa mortuária. Todos, sem excepção, me faziam referência ao Moisés. Percebi então que ele era um filho da terra, conhecido de toda a gente e de todas as gentes, querido. Só isso justifica a quantidade de pessoas que acompanharam as cerimónias fúnebres.
A nível profissional, revi colegas de trabalho, Técnicos de Saúde Ambiental, Médicos de Saúde Pública e Engenheiros Sanitaristas que tal como eu, quiseram e puderam dizer-lhe um último adeus.
Na igreja, antes da missa de corpo presente, um colega que o conhece há muito mais anos que eu, dizia-me: “Ele faz-nos tanta falta… faziam-nos tanta falta colegas como ele”. Assenti com a cabeça.
Agora digo: Hajam mais Moisés!

2 comentários:

Pedro Bento disse...

É triste saber que um colega nos abandonou. Já sabia do problema de saude do colega moises, mas foi apartir daqui que soube da triste noticia.

Nao conhecia bem o moises, apenas falei com ele 2 vezes em congressos. A 1 vezes num congresso na ESTESL e depois em Coimbra no coloquio " Saude Ambiental e o Processo de Bolonha" onde fui moderador e o Moisés deu "show de bola" a todos os presentes na mesa.
Pelas inumeras vezes que ouvi falar dele fiquei sempre com a sensaçao que era um TSA especial.
Realmente pessoas assim fazem falta.

Pedro Bento

Anónimo disse...

Fiquei eu também a sabe-lo por aqui, a saber da partida de um grande colega.

Do pouco que conheço, sei que Moisés era dos bons e, citando o Vitor, "Hajam mais Moisés!"

São essas pessoas que, apesar poucas, sempre podemos contar.

E foi em Coruche que, durante esse tempo, o CS não foi povoado por um Zé Ninguém.


M. Ilda