Saúde Ambiental. Salud Ambiental. Environmental Health. Santé Environnementale.
Para que se saiba mais sobre Saúde Ambiental, Saúde Pública, Segurança Alimentar, Segurança e Higiene do Trabalho, Educação Ambiental. Para que se saiba mais sobre nós, Técnicos de Saúde Ambiental.
Todas as opiniões aqui expressas são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
AGORA ESTAMOS AQUI

sexta-feira, 18 de julho de 2008

O fibrocimento, o amianto e as nossas (minhas) dúvidas

Foi por correio electrónico que recebi as questões que transcrevo abaixo e às quais, apesar dos meus parcos conhecimentos nesta matéria, tentarei responder.
De forma antecipada, agradeço, desde já, a quem quiser eventualmente acrescentar mais alguma informação relevante acerca desta matéria.

«Muito se tem ouvido falar acerca do amianto nas escolas e a minha questão é se isso é fácil de ser detectado por um "leigo" no assunto. Aquelas telhas vulgarmente chamadas de “Lusalite” contêm todas amianto? É fácil perceber, ou apenas um especialista nessa matéria consegue distinguir as que têm e as que não?»

Como certamente saberá, o amianto foi, até 1994, utilizado de forma intensiva, diria mesmo abusiva. Entretanto, em função dos riscos para a saúde, a ele associados foi, com base no Decreto-Lei n.º 228/94, de 13 de Setembro, que alterou o Decreto-Lei n.º 28/87, de 14 de Janeiro, limitada a sua comercialização e utilização, assim como de alguns produtos que o continham.
Posteriormente, já em 2005, e em função da publicação do Decreto-Lei n.º 101/2005, de 23 de Junho, foi então proibida, pela Comunidade Europeia, a utilização de qualquer variedade de amianto.
A questão que me colocou enquadra-se, tanto julgo ter percebido, no âmbito das actividades de Saúde Escolar, mais concretamente na Avaliação das Condições de Segurança, Higiene e Saúde dos Estabelecimentos de Educação e Ensino.
Em relação a esta matéria, independentemente da facilidade ou dificuldade com que se identifica a presença de amianto em determinados materiais, como é o caso das telhas que referiu, importa conhecer a data do seu fabrico e da sua instalação, pelos motivos legais a que já aludi. Depreende-se então que em produtos fabricados ou aplicados até 1994, haverá, com certeza, amianto incorporado na sua constituição, na medida em que até essa data, o fabrico de fibrocimento era feito com uma mistura de fibras de amianto.

Respondendo directamente às questões:

  • Nem todas as telhas vulgarmente chamadas de “Lusalite” contêm amianto;
  • Não, não é fácil distinguir as que têm e as que não têm fibras de amianto, muito menos por quem não é especialista nesta matéria, mas em função do ano de fabrico e aplicação poder-se-á depreender se as fibras objecto de preocupação integrarão, estarão ou não presentes.
Numa pesquisa rápida que fiz pela internet encontrei um texto (comercial) referindo que para a respectiva identificação de amianto se procede cuidadosamente à recolha de amostras de cada material suspeito, que são posteriormente examinadas com o auxílio de uma luz microscópica polarizada para determinar a presença e a quantidade dos vários tipos de amianto. A identificação pode ser feita no local, utilizando laboratórios móveis. No entanto, referem que em algumas circunstâncias, é necessário usar a transmissão ou o exame a electrões microscópicos para distinguir claramente o amianto de outras fibras inorgânicas e orgânicas.

Para mais informações sugiro ainda a leitura do artigo “Amianto, abordando o tema”, publicado no Suplemento Especial do número 179 da Revista Segurança, escrito pela nossa colega, Técnica de Saúde Ambiental e Técnica Superior de Segurança e Higiene do Trabalho, Carla Joyce.

1 comentários:

Ana Gomes disse...

De facto a olho nu não é possível identificar materiais que contenham amianto, sendo que carece de uma análise de material pelo método indicado sempre que um material é suspeito.

Em Portugal, o LNEC faz este tipo de análises e a empresa Amiacon (http://www.amiacon.pt/) fá-lo através do Laboratório Ascal, em França.

Aconselho a consulta do 'Guia para Procedimentos de Inventariação de Materiais com Amianto e Acções de Controlo em Unidades de Saúde' da ACSS e o 'Guia de Boas Práticas para prevenir ou minimizar os riscos decorrentes do amianto em trabalhos que envolvam (ou possam envolver) amianto, destinado a empregadores, trabalhadores e inspectores do trabalho' publicado pelo comité de Altos Responsáveis da Inspecção do Trabalho (CARIT).

E já agora fazendo publicidade à empresa onde neste momento desenvolvo actividade:
www.interamianto.pt